CAVALO DE TROIA DA RUSSIA: Migração nas fronteiras da Finlândia

Publicado por: Editor Feed News
21/11/2023 03:43 PM
Exibições: 111
Cortesia Editorial Flickr
Cortesia Editorial Flickr

“O pior ainda está por vir”: um especialista em migração previu acontecimentos na fronteira entre a Rússia e a Finlândia

 

O especialista em imigração polonês Maciej Duszczyk acredita que a pior situação com os migrantes para os finlandeses está por vir

 

Na Polónia, acreditam que a situação dos refugiados na fronteira entre a Finlândia e a Rússia irá piorar. Esta opinião foi expressa por Maciej Duszczyk, professor da Universidade de Varsóvia, especialista em migração, numa conversa com Yle. Passou anos a investigar a chegada de requerentes de asilo e migrantes à Europa e a participar, como especialista, na tomada de decisões sobre imigração.

 

Maciej Duschyk descreveu o que está acontecendo nos postos de fronteira com a frase “o pior ainda está por vir”. O especialista polaco alertou que em breve os migrantes começarão a chegar à Finlândia não só através de passagens fronteiriças oficiais, mas também através de florestas do norte de difícil passagem. Segundo ele, as redes criminosas são controladas por turcos e sauditas, que na verdade se uniram em todo o mundo.

 

Os contrabandistas desenvolvem rapidamente novas táticas. No final, eles descobriram como enviar pessoas para locais com condições naturais adversas na fronteira com a Finlândia, acredita Duszyk.


Ao mesmo tempo, os europeus culparam totalmente a Rússia pelo que estava a acontecer. "A Finlândia deveria estar preparada para novas provocações. Esta é uma guerra híbrida e a Rússia não vai parar", afirmou. Dushchyk também sugeriu que o país agressor pode com isso tentar influenciar as eleições em qualquer pais.

 

“O pior ainda está por vir”: o especialista em migração previu acontecimentos na fronteira entre a Rússia e a Finlândia 
“Por exemplo, durante as eleições presidenciais finlandesas em Janeiro de 2024, podemos esperar um aumento no número de migrantes na fronteira. Desta forma, a Rússia pode tentar influenciar as eleições”, prevê o professor da Universidade de Varsóvia

 

O professor polaco acrescentou que a escolta de migrantes é uma fonte de rendimento para a Rússia e a Bielorrússia. "Talvez (é lucrativo ") não diretamente para a administração, mas para companhias aéreas, hotéis em Moscou e outras cidades, universidades que fornecem vistos de estudante", disse Duschzyk.

 

Na sua opinião, os países que fazem fronteira com a Rússia de norte a sul deveriam unir-se e elaborar contra-medidas em cooperação. A imigração para eles difere, por exemplo, da imigração mediterrânica.


"Nas fronteiras orientais da Polónia e da Finlândia, a imigração é política. As pessoas que passam pelo Mediterrâneo geralmente não são usadas como armas políticas”, afirma o especialista.

 

De acordo com Duschyk, as viagens à Finlândia ou à Polónia custam quase o mesmo. Os migrantes escolhem uma direção de acordo com os seus próprios interesses. Aqueles que vêm para a Polónia geralmente querem mudar-se para o resto da Europa ao mesmo tempo. No entanto, não é fácil sair da Finlândia. Segundo Duschyk, o Norte atrai imigrantes ilegais em termos de segurança social.

 

Recorde-se que o Ministério da Administração Interna da Finlândia anunciou o encerramento total de quatro postos de controle na fronteira com o país agressor, a Federação Russa, a partir de 18 de novembro. Lá foram instaladas estruturas de barreira.

 

Ao mesmo tempo, as autoridades finlandesas estão considerando a opção de fechar completamente a fronteira com a Rússia . O Ministério da Administração Interna está  preparando um projeto de lei correspondente.

 

Mais tarde, soube-se que a Noruega também estava disposta a fechar temporariamente o único posto de controle na fronteira com a Rússia. O Ministério da Justiça e Segurança Pública da Noruega anunciou a sua disponibilidade para encerrar Sturskug, o único posto de controlo na fronteira com a Rússia. O anúncio foi feito pela chefe do departamento, Emily Enger Mel.

 

Com informações GLAVCOM

Vídeos da notícia

Imagens da notícia

Tags: