Inverno na Ucrânia: “Putin não será o único rato com que os ucranianos têm de lidar”

Publicado por: Editor Feed News
18/12/2023 01:39 PM
Exibições: 142
Cortesia Editorial Pixabay/iStock
Cortesia Editorial Pixabay/iStock

“Ninguém quer estar na linha da frente” nesta estação. Obstáculos diferentes afetam os dois lados do conflito.

 

Inverno, oficialmente, só começa na próxima semana. Na prática já chegou a diversos territórios da Ucrânia – e isso influencia a guerra. Nos dois lados.

 

O solo fica mais lamacento e “é mau para os avanços militares” dos dois países. Escorrega mais, fica mais difícil para tropas e tanques, descreveu Tyler Kustra: “O solo gelado funciona melhor.”

 

Tyler Kustra, professor de política e relações internacionais, partilhou no canal Euronews outra das diferenças que Dezembro apresenta: pragas de roedores.

Os russos mostraram imagens de ratazanas “do tamanho de uma espingarda de assalto Kalashnikov”. Estão a lidar com uma “grave infestação de roedores, uma vez que os ratos e ratazanas procuram calor e comida entrando nas suas trincheiras”, descreveu Tyler.

 

E disparou: “Dado que os ucranianos estão do outro lado da linha da frente, preocupa-me que Putin não seja o único rato com que terão de lidar“.

 

Os ratos já roeram cabos de equipamentos importantes nas trincheiras ucranianas, entre aquecedores e dispositivos de Internet.

 

Além dos novos “companheiros” na frente de batalha, as temperaturas descem. Para os proximos dias, por exemplo, preve-se 4 graus abaixo de zero na capital Kiev.

 

“Deitados nas trincheiras quando estão 10 ou 20 graus negativos, os soldados podem ficar com hipotermia”, avisou Marina Miron.

 

Reforça-se a quantidade de combustível, o vestuário. Tudo para sobreviver no campo de batalha.

Mas, quer Ucrânia, quer Rússia, sabem como agir nesta tenporada. Não é uma fase surpreendente.

E não é uma fase onde haja claramente um lado que saia mais beneficiado.

Mas, quer Ucrânia, quer Rússia, sabem como agir nesta estação climatica. Não é uma fase surpreendente.

E não é uma fase onde claramente um lado saia mais beneficiado.

 

O que fica mais afetado será o fator humano, psicológico. “Ninguém quer estar na linha da frente, por isso a moral desce. As pessoas querem estar num sítio agradável e quente, em vez de estarem ao ar livre”, comentou Marina.

 

Outra grande preocupação no Inverno são os civis na Ucrânia. As centrais elétricas deverão ser novamente atacadas para impedir que o aquecimento chegue às casas dos ucranianos.

 

Mas há mais uma intenção nestes ataques: fazer com que a população ucraniana, mais à frente, aceite ser controlada pela Rússia. E que até agradeçam aos russos, na perspectiva de Vladimir Putin.

 

Com informações complementares Planeta ZAP //

Vídeos da notícia

Imagens da notícia

Tags: